Quer saber o que é um feed, o que você pode fazer com isso e como se inscrever? Clique aqui!

Arquivo de fevereiro, 2008

Especial de música do rodflash.com

Tecnologia

23/02/2008 as 01:41

Especial de músicaQuando falamos em música no computador, existem várias formas, vários programas e vários problemas, desde organizar até converter e mesmo achar o lugar certo onde ouvir.

Resolvi então preparar uma série de dicas para resolver vários problemas com músicas no computador. As dicas virão sempre com links de ferramentas (sempre que possível gratuitas) e instruções detalhadas. Acompanhe o site (assine nosso RSS) e não perca nenhum detalhe.

Especial de música do rodflash.com

Leia mais...

, , ,
7 Comentários »

Organizando músicas no seu computador

Tecnologia

as 01:40

A música digital já faz parte do dia a dia de praticamente todo internauta. Horas (e até semanas) de música estão presentes nas playlists dos computadores dos usuários. Mas como organizar isso tudo? Veja a seguir diversas ferramentas que serão de grande ajuda para gerenciar suas músicas. Claro, todas elas são gratuitas.

Gravar de CD para música digital

Conversão no iTunes

Assim como eu, diversas pessoas ainda têm o hábito de comprar CDs. Só que para andar de um lado para o outro com as músicas no iPod, MP3 Player ou celular, é preciso transformar o CD em formato digital. O iTunes, da Apple é um dos melhores nesse trabalho. Quando você coloca o CD, ele já vai na Internet e baixa o nomes das músicas e do álbum. Diversos programas fazem isso, mas o diferencial do iTunes é a qualidade do arquivo gerado. O codificador da Apple é um dos que oferecem melhor qualidade para converter músicas. Atualmente, tenho preferido converter as músicas no formato M4A (AAC ou MP4). Esse formato (codificado em 64bits) tem metade do tamanho dos arquivos MP3 e é o formato predileto do iPod. O Winamp também consegue realizar a conversão em diversos formatos, mas ao contrário do iTunes, a conversão de MP3 no Winamp só está disponível na versão paga.

Organização e pastas

Organizar pastas é um tédio. Quando sua biblioteca é muito grande nem se fala. O iTunes conta com um recurso interessante que é manter sua biblioteca organizada por pastas de Artista/Álbum. Na primeira execução, ele pergunta se você deseja manter sua biblioteca organizada, mas esse recurso só será útil se as tags das suas músicas estiverem corretas. Caso contrário, suas músicas ficarão desorganizadas (principalmente se você tiver aqueles CDs de coletânia com vários artistas). Para solução, sugiro o Media Monkey, que permite mover arquivos pelo nome do artista e álbum. Mesmo assim, a minha escolha predileta é o bom e velho Windows Explorer. Dá trabalho, mas você pelo menos saberá onde estão as músicas.

Se você já tiver as pastar organizadas no seu computador, pode ainda instalar o plug-in Dynamic Library para o Winamp, que mostra as suas pastas ao invés de artistas e músicas. Para os que utilizam outros sistemas operacionais, sugiro que consulte o VLC, que consegue reproduzir até DVDs.

Dynamic Library

Renomear vários arquivos

É muito comum o nome dos arquivos ser diferente entre os álbuns. Que tal manter um padrão? Para isso você pode utilizar o Batch Rename, que adiciona uma opção no Windows Explorer para você renomear qualquer tipo de arquivo. É possível adicionar um número sequencial ou manter parte do nome do arquivo. Se você quiser renomear a partir de outras configurações, veja o próximo tópico.

Arrumar as Tags

Talvez um dos maiores desafios seja manter as ID3 Tags (as informações de ano, artista, álbum e etc) atualizada e corretas. O Winamp e o iTunes conseguem editar essas tags, mas não de forma prática para muitas músicas. Para esse trabalho, há o MP3 Tag, quer permite você ver e editar a tag de vários arquivos de uma só vez. O diferencial desse programa é a capacidade de ir na Internet em sites de compra (como o Amazon) ou o Freedb (uma biblioteca de músicas) para recuperar as informações do álbum. Ele ainda pode recuperar informações através de um arquivo de texto (TXT) para as tags. Depois de organizar as tags, ele pode até renomear os arquivos com base nas informações (como faixa – artista – música). Ele tem suporte a diversos formatos de arquivo.

MP3 Tag

Leia mais...


7 Comentários »

MP3, MP4 e outros. Para que tanto formato?

Tecnologia

02/02/2008 as 00:16

Nesse artigo da série especial de música do rodflash.com, entenda a história da compressão de arquivos e o motivo de existir tantos formatos de áudio no mercado.


Há alguns anos atrás, no ápice do sucesso do CD que havia substituído o LP para reprodução de música com qualidade, era possível copiar uma música do CD para o seu computador sem muitos problemas. O formato mais comum era o Wave (.WAV), que não possui compressão. Por esse motivo, uma música chega a ter em média 50 MB. Há alguns anos atrás, com conexões discadas, disquetes e HDs de 3 GB, era praticamente impossível distribuir e manter esses arquivos.

Com a evolução da tecnologia, foram realizadas pesquisar para criar formatos mais flexíveis. Um dos primeiros é o MPEG (da sigla da empresa que a criou, Moving Picture Experts Group), que partia do mesmo princípio do formato de imagens JPEG. Os arquivos MPEG (ou MPEG1) fazia compressão de vídeo e aúdio no mesmo arquivo. A extensão .mpg conseguia diminuir o tamanho do arquivo, mas havia um sensível perda de qualidade, tanto na imagem quanto no som. Esse formato é utilizado no VCD, um CD que consegue armazenar vídeo e áudio.

Em mais uma evolução através de pesquisas, foi definido o formato MPEG2, que também armazena áudio e vídeo. No entanto, a compressão de formato é menor e sua qualidade é bem maior quando comparada ao do MPEG1. Esse formato costuma gerar arquivos grandes e é utilizados nos DVDs.

Seguindo as pesquisas, foi criado o formato MPEG3, popularmente conhecido como MP3. Esse é um formato de compressão de áudio apenas. Tal compressão faz com que um arquivo (antes de 50 MB, com o Wave) tenha o tamanho de apenas 5 MB em média. Essa “mágica” acontece porque a compressão elimina alguns elementos do som, praticamente não perceptíveis pelo ouvido humano. Os arquivos MP3 ainda contam com as ID3-Tags, que permitem adicionar informações (como artista, álbum e etc) no arquivo. Um formato desse modelo é facilmente distribuível e por isso hoje ele se tornou tão popular.
Os arquivos AVI, MPEG1 e MPEG2 juntam em um mesmo arquivo os canais de áudio e vídeo. Essa junção é chamada de container.

Video container

Virtualmente, um arquivo de container pode conter qualquer formato de áudio e vídeo misturados. Hoje, são comuns os formatos de vídeo AVI que possuem faixas de vídeo no formato Xvid ou DivX e faixa de áudio em MP3.

No entanto, o formato MP3 não é tão completo assim: ele ainda precisaria incorporar outras evoluções tecnológicas. É aí que entra os outros formatos tão populares de hoje. Um dos que tem tomado bastante proporção é o MP4. O MP4 é um formato que segue a filosofia de container, explicado acima (M4V, para vídeo e M4A, para áudio). Um formato especial de vídeo é utilizado e o áudio costuma ser no formato AAC (Advanced Audio Coding).

Falando do áudio, o formato MP4 (AAC) contem mais informações de texto do que o MP3. Além disso, a mesma música utilizando os mesmos parâmetros de compressão chegam a ter até a metade do tamanho. Isso significa que, em termos gerais, você consegue ter o dobro de músicas no mesmo espaço se gravado em MP3. O formato MP4 também suporta sons no formato 5.1, que possui mais qualidade e ambientalização real.

Por ser um formato relativamente recente, poucos dispositivos são compatíveis com o formato MP4 (AAC). No mercado, os mais populares são os iPods, celulares e playes da Sony e o Nintendo Wii.

AAC devices

Nos players de música e celulares, o formato AAC é o trunfo para fazer com que toda sua biblioteca de música caiba em pouco espaço. O Nintendo Wii vinha com suporte de fábrica ao MP3, mas, através de uma atualização de software, deixou de suportar esse formato para dar lugar ao MP4 por ser mais vantajoso.
O Winamp e o iTunes suportam o MP4 por padrão. O Windows Media Player requer que sejam instalados codecs especiais para sua reprodução.

Alguns fabricantes produzem ainda player “genéricos” e os batizam como MP4, mesmo sem conseguir reproduzir o formato na realidade. Alguns são mais audaciosos e chegam a defini-los como MP5 (um formato que nem existe na verdade).

Para você escolher o formato ideal para seu uso é simples: verifique a compatibilidade do seu dispositivo com os formatos. A conversão entre os formatos pode ser feita diretamente com o iTunes ou o Winamp (cada música costuma levar menos de 30 segundos para a conversão). Se o seu player suportar AAC, lembre-se que você poderá levar mais músicas do que se estivesse utilizando o MP3.

Leia mais...


3 Comentários »